Review Lisca Northern Ligth

O que fazemos quando magoamos alguém?

 

Marca: Didymos
Modelo: Lisca Northern Ligth
Composição: 100% algodão
Gramagem: 260gr/m 2

Quem me conhece sabe que sou uma pessoa reservada. Não sou de me expor de forma desnecessária e nunca, mas mesmo nunca, pensei em escrever num blogue ou contribuir para um, daí que a minha participação aqui seja algo que me surpreende. Mas apesar de parecer surpreendente para mim alimentar um blogue com as minhas palavras, gosto de pensar que ao abrir as janelas de casa há sempre luz que entra e ilumina, que me dará energia para fazer mais ou mostrar mais. No fim, o grande objetivo é mesmo ajudar outras pessoas neste mundo novo, o mundo do Babywearing! E a intenção era fazer algo diferente, distanciar-me de algo que já se fazia e conhecia (mas parece que não fui muito bem sucedida :( ). Surgiu a ideia dos contos, mas parece que um conto acrescenta poucos pontos à história dos carregadores, por isso esta semana será diferente! Esta semana escreverei com o coração (vou tentar pelo menos :P). Vou destapar outras camadas do meu ser que creio serem necessárias (e vocês merecem!) para me conhecerem melhor, mas também para conhecerem melhor os carregadores que vos trago. Vamos a isso!

 


Na vida tomamos muitas decisões, desde as mais simples que passam pelo que vou comer ou vestir, às mais complexas que vão à mudança de trabalho ou iniciar um novo projeto. Algumas decisões são refletidas e muito ponderadas e outras podem ser mais impulsivas, nem sempre sabemos o resultado que cada uma delas trará à nossa vida e à vida das pessoas que nos rodeiam. Algumas delas podem mesmo magoar as pessoas de quem gostamos, sem que tenhamos noção de o termos feito. Já vos aconteceu? E agora o que fazemos para remediar aquilo que não tem remédio? A primeira coisa será pedir desculpa! Podemos não conseguir voltar atrás e desfazer o que fizemos, mas devemos enfrentar as consequências das nossas atitudes. Um pedido de desculpa, sincero e caloroso pode minimizar os estragos. A pessoa pode ou não aceitar o pedido (está no seu direito!) mas ainda assim não devemos deixar de o fazer nem deixar arrastar uma situação que no futuro magoará mais do que resolverá qualquer
coisa. Deverá ser um pedido de desculpa sincero, cândido, doce e fofo, tal como o pano que vos trago, o Lisca Northern Light.

Todos vocês já ouviram falar desta marca. Muito conhecida pela qualidade dos panos e pela sabedoria que trazem consigo. Parece que tem uma memória genética que faz com que se comportem de forma autómata na amarração. É como se reservassem nos seus átomos uma informação que permite ao mais nabo dos carregadeiros fazer um brilharete com os seus panos.

Didymos nasceu em 1971, pelas mãos de Erika Hoffmann, da necessidade de carregar e dar a atenção a Anna e Tina, às suas filhas gémeas recém-nascidas (O nome DIDYMOS significa "gémeos" em grego antigo, não é maravilhoso?) e desde então tem espalhado atenção e amor por muitos bebés e famílias.


Os panos liscas são para mim dos melhores que experimentei até aos dias de hoje, talvez fazendo jus à expressão "amor à primeira vista", bem não sei se foi bem à primeira mas que morri de amores, lá isso morri. É um pano fofinho, macio ao toque, nos seus 100% de algodão orgânico, que se ajusta como um perfeito abraço, que nos aconchega e nos conforta. Como se dissesse "não te preocupes que tudo ficará bem".  

 

A sua trama em forma de espinha de peixe confere-lhe um bom suporte e não o torna muito quente num dia de calor. A forma texturada do pano dá-lhe a profundidade necessária e a aderência ideal para que as amarrações não saiam do sitio. Quando o utilizamos para carregar moldasse com perfeição sem nunca se queixar ou deixar ir. Depois de amarrado, ali fica, como se não tivesse outro sítio onde quisesse estar, a não ser nas nossas costas e nas costas do nosso bebé. Poderia perfeitamente ser usado em recém-nascido ou em bebés maiores, sem comprometer nunca o conforto do carregar, ou correr o risco de nos magoar nos ombros. No entanto há quem não goste da diagonal que o pano oferece, que pode dificultar a amarração em crianças mais pesadas. Eu confesso que ainda não senti esse desconforto com o rabinho de chumbo cá de casa mas quando isso acontecer sei que os portes com diversas camadas podem ajudar a minimizar o problema.


O gradiente de cores claras e suaves, de branco, rosa, azul e cinza, dão uma luminosidade ao pano que adoro, é como se mostrasse a sua sinceridade e se dispusesse a acompanhar-nos nos momentos bons e menos bons, como só um verdadeiro amigo sabe estar. A diferença de cores entre os rails superior e inferior faz com que seja um pano fácil de manusear por pessoas menos experientes.


No fim, quando erramos e acabamos por magoar alguém só temos certeza de uma coisa… é certo que voltaremos a errar. Todavia com este pano não há erro possível! Nem a comprar, nem a usar e muito menos a oferecê-la a alguém ;) . Por isso façam favor de pôr mãos à obra e a carteira a render, porque no fim babywearing é mais do que panos, babywearing é a história, a história dos nossos filhos, da nossa família e dos nossos afetos. Babywearing é mais do que
carregar.

Babywearing é amor!

 

Dulce Ferreira