Fátima Farinha

Olá, sou a Fátima tenho 28anos, mãe da pequena (grande) Margarida. Com a miúda acabada de completar um ano de vida, juntamo-nos a este projeto e vamos mostrar-vos como o babywearing veio a criar momentos de passeio mais fáceis e práticos com muito colinho.

Mas nem só de passeio a gente vive e também em momentos domésticos ou até de doença ou birra o babywearing ajuda imenso. Fui apresentada ao babywearing pouco antes da Margarida nascer pela querida Tânia Sousa, na altura já queria carregar mas andava à procura de um marsúpio. Então foi aí que ela me explicou por alto e fui logo pesquisar mais sobre o assunto e decidi que iria carregar a minha bebé de forma ergonómica.

A nossa aventura no babywearing começou com 1 mês de vida da Margarida quando comprei o meu 1º pano. A Tânia Sousa ensinou-me os portes mais básicos para o início. Comecei logo a tentar e a usar, fez a nossa vida tornar-se bem mais prática em todos os aspetos. Foi a salvação para dias de cólicas, foram raras as vezes que recorremos a medicação, lembro-me de estar na cama com ela no pano durante a noite só assim acalmava. Para fazer compras é do melhor que há. (quantas vezes vemos famílias em que carregam o bebé nos braços e o carrinho serve para as compras?) E passear pelas ruas de Portugal? É impossível com tanto buraco, postes, árvores, paragens de autocarro entre outras coisas no meio dos passeios.

Também temos um cão, chama-se sortudo, apareceu de repente nas nossas vidas, sempre achamos que não tínhamos vida para ter cães e agora muito menos. Mas lá apareceu o sortudo pouco tempo antes da Margarida nascer e era impossível deixar ele para trás. Então mais uma vez o babywearing veio facilitar as nossas vidas. Era impossível passear o cão com um carrinho, até porque ele tem medo do mesmo, com o kit mãos livres consigo levar o cão a passear para qualquer sítio. São pequenas coisas que vemos uma melhoria e uma qualidade de vida maior.

Para mim o babywearing é colo, amor, afecto, disponibilidade, proximidade e cumplicidade. Enquanto eu puder e a Margarida deixar vou carregar o grande amor da minha vida.